Resultados encontrados: ASCENSO FERREIRA

CAVALHADA, A

Postado por e arquivado em , , .

Fitas e fitas… / Fitas e fitas… / Fitas e fitas… / Roxas, / verdes, / brancas, / azuis, Alegria nervosa de bandeirinhas trêmulas! / Bandeirinhas de papel bulindo no vento!… Foguetes do ar… –  “De ordem do Rei dos Cavaleiros, / a cavalhada vai começar!” Fitas e fitas… / Fitas e fitas… / Fitas […]

MARACATU

Postado por e arquivado em , , .

Zabumba de bombos, Estouro de bombas, Batuques de ingonos, Cantigas de banzo, Rangir de ganzás…   – Luanda, Luanda, onde estás? Luanda, Luanda, onde estás?   As luas crescentes De espelhos luzentes, Colares e pentes, Queixares e dentes De maracajás…   – Luanda, Luanda, onde estás? Luanda, Luanda, onde estás?   A balsa do rio […]

MINHA ESCOLA

Postado por e arquivado em , , .

A escola que eu freqüentava era cheia de grades como as prisões. E o meu Mestre, carrancudo como um dicionário; Complicado como as Matemáticas; Inacessível como Os Lusíadas de Camões!   À sua porta eu estava sempre hesitante… De um lado a vida… – A minha adorável vida de criança: Pinhões… Papagaios… Carreiras ao sol… […]

MULA DO PADRE, A

Postado por e arquivado em , , .

Um dia no engenho, / já tarde da noite / que estava tão preta / como carvão… / A gente falava de assombração: – O avô de Zé Pinga-Fogo / amanheceu morto na mata, / com o peito varado / pela canela do Pé-de-Espeto! – O cachorro de Brabo Manso / levou, sexta-feira passada, / […]

OROPA, FRANÇA E BAHIA

Postado por e arquivado em , , .

Para os 3 Manuéis: / Manuel Bandeira / Manuel de Sousa Barros  / Manuel Gomes Maranhão Num sobrado arrumado, / tristonho, mal assombrado, / que dava pros fundos da terra / (“Pra ver marujos. / tiruliluliu / quando vão pra guerra”) / E dava pros fundos do mar (“Pra ver marujos / tiruliluliu/ ao desembarcar”), […]

PEGA DO BOI, A

Postado por e arquivado em , , .

A rês tresmalhada / ouviu na quebrada, / soar a toada, / de alguém que aboiou: – Hô – hô – hô – hô – hô, / Vaá! / Meu boi Surubim! / Boi! / Boiato! E, logo espantada, / sentindo a laçada, / no mato embocou… Atrás, o vaqueiro, / montando o “Veleiro” / […]

TORÉ

Postado por e arquivado em , , .

Os dois maracás, / um fino e outro grosso, / fazem alvoroço / nas mãos do Pajé: – Toré! – Toré! Bambus enfeitados, / compridos e ocos, / produzem sons roucos / de querequexé! – Toré! – Toré! Lá vem a asa-branca, / no espaço voando, / vem alto, gritando./ – Meus Deus, o que […]

TREM DE ALAGOAS

Postado por e arquivado em , , .

O sino bate, / o condutor apita o apito, / solta o trem de ferro um grito, / põe-se logo a caminhar… / –  Vou danado pra Catende, / vou danado pra Catende, / vou danado pra Catende / com vontade de chegar… Mergulham mocambos / nos mangues molhados, / moleques mulatos / vem vê-lo […]