Resultados encontrados: VINÍCIUS DE MORAES

AMAR EM PAZ

AMAR EM PAZ

Postado por e arquivado em , , .

Eu amei Eu amei, ai de mim, muito mais Do que devia amar E chorei Ao sentir que iria sofrer E me desesperar Foi então Que da minha infinita tristeza Aconteceu você Encontrei em você a razão de viver E de amar em paz E não sofrer mais Nunca mais Porque o amor é a […]

DIALÉTICA

Postado por e arquivado em , , .

É claro que a vida é boa E a alegria, a única indizível emoção É claro que te acho linda Em ti bendigo o amor das coisas simples É claro que te amo E tenho tudo para ser feliz Mas acontece que eu sou triste…

MAR

Postado por e arquivado em , , .

Na melancolia de teus olhos Eu sinto a noite se inclinar E ouço as cantigas antigas Do mar.   Nos frios espaços de teus braços Eu me perco em carícias de água E durmo escutando em vão O silêncio.   E anseio em teu misterioso seio Na atonia das ondas redondas. Náufrago entregue ao fluxo […]

MINHA NAMORADA

MINHA NAMORADA

Postado por e arquivado em , , .

Se você quer ser minha namorada Ai, que linda namorada Você poderia ser Se quiser ser somente minha Exatamente essa coisinha Essa coisa toda minha Que ninguém mais pode ser Você tem que me fazer um juramento De só ter um pensamento Ser só minha até morrer E também de não perder esse jeitinho De […]

PELA LUZ DOS OLHOS TEUS

Postado por e arquivado em , , .

Quando a luz dos olhos meus E a luz dos olhos teus Resolvem se encontrar Ai que bom que isso é meu Deus Que frio que me dá o encontro desse olhar Mas se a luz dos olhos teus Resiste aos olhos meus só p’ra me provocar Meu amor, juro por Deus me sinto incendiar […]

POEMA DE TODAS AS MULHERES

Postado por e arquivado em , , .

No teu branco seio eu choro. Minhas lágrimas descem pelo teu ventre E se embebedam do perfume do teu sexo. Mulher, que máquina és, que só me tens desesperado Confuso, criança para te conter! Oh, não feches os teus braços sobre a minha tristeza não! Ah, não abandones a tua boca à minha inocência, não! […]

POÉTICA I

Postado por e arquivado em , , .

De manhã escureço De dia tardo De tarde anoiteço De noite ardo. A oeste a morte Contra quem vivo Do sul cativo O este é meu norte. Outros que contem Passo por passo: Eu morro ontem Nasço amanhã Ando onde há espaço: – Meu tempo é quando.  

SONETO DE FIDELIDADE

Postado por e arquivado em , , .

De tudo, ao meu amor serei atento Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto Que mesmo em face do maior encanto Dele se encante mais meu pensamento.   Quero vivê-lo em cada vão momento E em seu louvor hei de espalhar meu canto E rir meu riso e derramar meu pranto Ao seu […]

SONETO DE SEPARAÇÃO

Postado por e arquivado em , , .

De repente do riso fez-se o pranto Silencioso e branco como a bruma E das bocas unidas fez-se a espuma E das mãos espalmadas fez-se o espanto.   De repente da calma fez-se o vento Que dos olhos desfez a última chama E da paixão fez-se o pressentimento E do momento imóvel fez o drama. […]

SONETO DOI AMIGO

SONETO DO AMIGO

Postado por e arquivado em , , .

  Enfim, depois de tanto erro passado Tantas retaliações, tanto perigo Eis que ressurge noutro o velho amigo Nunca perdido, sempre reencontrado. É bom sentá-lo novamente ao lado Com olhos que contêm o olhar antigo Sempre comigo um pouco atribulado E como sempre singular comigo. Um bicho igual a mim, simples e humano Sabendo se […]