Resultados encontrados: OLAVO BILAC

ANÉIS, OS

Postado por e arquivado em , , .

A bela sociedade, a sociedade alegre, composta de rapazes e de raparigas, estava reunida em roda da larga mesa da sala de jantar, convertida em mesa de jogo. A velha mãe das raparigas, a gorda Sra. Manuela Matias, bem sabia que aquelas noitadas de víspora e chá lhe custavam os olhos da cara… Mas que […]

ANJOS, OS

Postado por e arquivado em , , .

No atelier do pintor Álvaro, a palestra vai animada. Lá está o poeta Carlos, muito aprumado, muito elegante, encostado a um buffet renaissance, sacudindo o pé em que a polaina branca irradia, mordendo o seu magnífico Henry Clay de três mil réis. Mais adiante, o escultor Júlio, amorosamente inclinado para a viscondessinha de Mirantes e […]

CAÇADOR DE ESMERALDAS

Postado por e arquivado em , , .

Foi em março, ao findar das chuvas, quase à entrada Do outono, quando a terra, em sede requeimada, Bebera longamente as águas da estação, – Que, em bandeira, buscando esmeraldas e prata, À frente dos peões filhos da rude mata, Fernão Dias Pais Leme entrou pelo sertão.   Ah! Quem te vira assim, no alvorecer […]

COMO A PESCADA…

Postado por e arquivado em , , .

Casados há três meses, – já o arrufo, já o ciúme, já a resigna… E Clélia quer que o marido, o Álvaro, lhe ponha já para ali toda a verdade: se foi de fato noivo de Laura, e porque é que foi expulso da casa de Laura, e porque não casou com Laura, e porque […]

COMO OS CÃES

Postado por e arquivado em , , .

– Não é possível, senhora! – dizia o comendador à esposa. – Não é possível! – Mas se eu lhe digo que é certo, seu Lucas! – insistia a D. Teresa. – Pois é mesmo a nossa filha quem m’o disse! O comendador Lucas, atônito, coçou a cabeça: – Oh, senhora! Mas isso é grave! […]

COSTURA, A

Postado por e arquivado em , , .

Tão bonita, tão bem feita, dona de tão lindos olhos e de formoso sorriso, a Maroca, – mas tão tola!… Aos dezessete anos, tinha a ingenuidade das crianças de mama; e o seu coração só entendia o amor dos gatos, das bonecas, de quantos brinquedos inocentes podem interessar a alma de uma criança. A mãe, […]

DEFUNTO, O

Postado por e arquivado em , , .

O grave professor, aprumando sobre o nariz os óculos de ouro, começa a sua lição. Grave, grave, o professor Mac-Leley! Calvo, vermelho, possuindo nas bochechas flácidas algumas falripas raras e grisalhas, o velho inglês é a circunspeção em pessoa. Sempre severamente trajado – com calças negras, colete negro, rodaque de alpaca negra, gravata negra de […]

DIABO, O

Postado por e arquivado em , , .

Tinham metido tantas caraminholas na cabeça da pobre Luizinha, que quando a coitada, às dez horas, apagava a luz, metida na cama, vendo-se no escuro, tinha tanto medo, que começava a bater os dentes… Pobre Luizinha! Que medo, que medo ela tinha do diabo! Um dia, não pôde mais! E, no confessionário, ajoelhada diante de […]

ENGUIA, A

Postado por e arquivado em , , .

Ao alvorecer, na pequenina aldeia, à beira-mar, padre João, ainda estremunhado de sono, vai seguindo a praia branca, a caminho da igrejinha que aparece ao longe, clara e alegre, levantando no nevoeiro a sua torre esbelta. Lá vai o bom pároco dizer a sua missa e pregar o seu sermão de quaresma… Velho e gordo, […]

FEITO NO ESCURO…

Postado por e arquivado em , , .

Ele era branco, e ela branca, Ambos claros como a luz… Casaram. Baile de arranca, E pagodeira de truz…   O mais formoso dos ninhos Era a casa, à beira-mar, Onde, como dois pombinhos, Foram os dois arrulhar.   Só eles… e um cozinheiro, Que era o crioulo Manuel, Crioulo lesto e ligeiro, Obediente… e […]