Resultados encontrados: I a M

ACADEMIAS DE SIÃO, AS

Postado por e arquivado em , , .

Conhecem as academias de Sião? Bem sei que em Sião nunca houve academias, mas suponhamos que sim, e que eram quatro, e escutem-me.            As estrelas, quando viam subir, através da noite, muitos vaga-lumes cor de leite, costumavam dizer que eram os suspiros do rei de Sião que se divertia com as suas trezentas concubinas. Que, […]

ADÃO E EVA

Postado por e arquivado em , , .

Uma senhora de engenho, na Bahia, pelos anos de mil setecentos e tantos, tendo algumas pessoas íntimas à mesa, anunciou a um dos convivas, grande lambareiro, um certo doce particular. Ele quis logo saber o que era; a dona da casa chamou-lhe curioso. Não foi preciso mais; daí a pouco estavam todos discutindo a curiosidade, […]

ALANDELÃO DE LA PATRIE

Postado por e arquivado em , , .

Não entendo aquele que aprecia o boi. Aqui se criava antigamente muito guzerá, que para mim tem a cara de ordinário, mentiroso, criminoso e cínico. Inclusive, a maioria possui olheiras, mostrando que são perversos devassos de pouca confiança. O sujeito que já se viu no pasto, ou mesmo no cercado, na companhia de um guzerá, […]

ALEGRIAS DA PATERNIDADE

Postado por e arquivado em , , .

Tenho certeza de que inventaram esse negócio de Dia dos Pais, Dia das Mães, Dia dos Namorados e assemelhados com o exclusivo propósito de atanazar o juízo do grupo, numeroso porém desprezado, em que me integro, ou seja, o dos que acham essas datas apenas ocasiões para exercícios de sadomasoquismo e solapamento da já combalida […]

ANEDOTA DO CABRIOLET

Postado por e arquivado em , , .

— CABRIOLET está aí, sim senhor, dizia o preto que viera à matriz de S. José chamar o vigário para sacramentar dois moribundos. A geração de hoje não viu a entrada e a saída do cabriolet no Rio de Janeiro. Também não saberá do tempo em que o cab e o tilbury vieram para o […]

ANEDOTA PECUNIÁRIA

Postado por e arquivado em , , .

Chama-se Falcão o meu homem. Naquele dia – quatorze de abril de 1870 – quem lhe entrasse em casa, às dez horas da noite, vê-lo-ia passear na sala, em mangas de camisa, calça preta e gravata branca, resmungando, gesticulando, suspirando evidentemente aflito. Às vezes, sentava-se; outras, encostava-se à janela, olhando para a praia, que era […]

AVENTURAS NO CALÇADÃO

Postado por e arquivado em , , .

AS VOLTAS QUE O MUNDO DÁ, quem te viu, quem te vê, nada como um dia depois do outro, nunca diga “desta água não beberei” — tudo isso me ocorre, ao ver-me no calçadão da praia, fazendo em passo acelerado o percurso de ida e volta do Leblon ao Arpoador. Com exceção de futebol, quando […]

BURRO JUIZ, O

Postado por e arquivado em , , .

Disputava a gralha com o sabiá, afirmando que a sua voz valia a dele. Como as outras aves rissem daquela pretensão, a bulhenta matraca de penas, furiosa, disse: – Nada de brincadeiras. Isto é uma questão muito séria que deve ser decidida por um juiz. Canta o sabiá, canto eu, e a sentença do julgador […]

CARTEIRA, A

Postado por e arquivado em , .

  De repente, Honório olhou para o chão e viu uma carteira. Abaixar-se, apanhá-la e guardá-la foi obra de alguns instantes. Ninguém o viu, salvo um homem que estava à porta de uma loja, e que, sem o conhecer, lhe disse rindo: – Olhe, se não dá por ela; perdia-a de uma vez. – É […]