Resultados encontrados: CASIMIRO DE ABREU

AMOR E MEDO

Postado por e arquivado em , , .

Quando eu te fujo e me desvio cauto Da luz de fogo que te cerca, oh! bela, Contigo dizes, suspirando amores: ” Meu Deus! que gelo, que frieza aquela!”   Como te enganas! Meu amor é chama Que se alimenta no voraz segredo, E se te fujo é que te adoro louco… És bela eu […]

BERÇO E TÚMULO

Postado por e arquivado em , , .

Trago-te flores no meu canto amigo – Pobre grinalda com prazer tecida – E – todo amores – deposito um beijo Na fronte pura em que desponta a vida.   É cedo ainda! – quando moça fores E percorreres deste livro os cantos, Talvez que eu durma solitário e mudo – Lírio pendido a que […]

CANÇÃO DO EXÍLIO

Postado por e arquivado em , , .

Se eu tenho de morrer na flor dos anos Meu Deus! não seja já; Eu quero ouvir na laranjeira, à tarde, Cantar o sabiá! Meu Deus, eu sinto e tu bem vês que eu morro Respirando este ar; Faz que eu viva, Senhor! dá-me de novo Os gozos do meu lar!   O país estrangeiro […]

CLARA

Postado por e arquivado em , , .

Não sabes, Clara, que pena eu teria se – morena tu fosses em vez de clara! Talvez… quem sabe… não digo… Mas, refletindo comigo, talvez nem tanto te amara!   A tua cor é mimosa, brilha mais da face a rosa tem mais graça a boca breve. O teu sorriso é delírio… És alva da […]

DESEJO

Postado por e arquivado em , , .

Se eu soubesse que no mundo Existia um coração, Que só por mim palpitasse De amor em terna expansão; Do peito calara as mágoas, Bem feliz eu era então!   Se essa mulher fosse linda Como os anjos lindos são, Se tivesse quinze anos, Se fosse rosa em botão, Se inda brincasse inocente Descuidosa no […]

DEUS

Postado por e arquivado em , , .

Eu me lembro! eu me lembro! – Era pequeno E brincava na praia; o mar bramia. E, erguendo o dorso altivo, sacudia A branca escuma para o céu sereno.   E eu disse a minha mãe nesse momento: “Que dura orquestra! Que furor insano! Que pode haver maior do que o oceano, Ou que seja […]

JURITI, A

Postado por e arquivado em , , .

Na minha terra, no bulir do mato, A juriti suspira; E como o arrulho dos gentis amores, São os meus cantos de secretas dores No chorar da lira.   De tarde a pomba vem gemer sentida À beira do caminho; – Talvez perdida na floresta ingente A triste geme nessa voz plangente Saudades do seu […]

MEUS OITO ANOS

Postado por e arquivado em , , .

Oh! que saudades que tenho Da aurora da minha vida, Da minha infância querida Que os anos não trazem mais!   Que amor, que sonhos, que flores, Naquelas tardes fagueiras À sombra das bananeiras, Debaixo dos laranjais!   Como são belos os dias Do despontar da existência! – Respira a alma inocência Como perfumes a […]

MINH’ALMA É TRISTE

Postado por e arquivado em , , .

Minh’alma é triste como a rola aflita Que o bosque acorda desde o alvor da aurora, E em doce arrulo que o soluço imita O morto esposo gemedora chora.   E, como a rola que perdeu o esposo, Minh’alma chora as ilusões perdidas, E no seu livro de fanado gozo Relê as folhas que já […]

MINHA MÃE

Postado por e arquivado em , , .

Da pátria formosa distante e saudoso, Chorando e gemendo meus cantos de dor, Eu guardo no peito a imagem querida Do mais verdadeiro, do mais santo amor: – Minha Mãe! –   Nas horas caladas das noites d’estio Sentado sozinho co’a face na mão, Eu choro e soluço por quem me chamava – “Oh filho […]